domingo, 21 de setembro de 2008

Maísa foi embora.

Abaixo, dois textos que escrevi pra um trabalho na faculdade. A intenção era mostrar uma descrição estática e uma dinâmica. Eu não sei se consegui do jeito que era pra conseguir, mas gostei do resultado. Eu optei por contar a mesma história de duas formas diferentes. Ainda penso em continuar com a versão do assassino, a da mãe da menina e a do cachorro. Mas, isso é mais pra frente. Por enquanto, tá aí.

Os próximos dias 19 de setembro jamais passarão em branco na família Frias. Era cerca de oito horas da manhã naquele apartamento de classe média alta no bairro da ponta Verde, em Maceió. O sol brilhava lá fora. No quinto andar, a chaleira começou a chiar, dando o sinal de que a água do café estava fervendo. O som agudo parecia ritmar a dança das mudas de alecrins e manjericões do lado de fora da janela da cozinha.

O barulho irritante chegou aos ouvidos de Dodô, o pequeno basset de pêlos cor de caramelo da família. Este, por sua vez, incomodado com aquilo, procurava a dona, Maisa, para ajudar a amenizar o ruído. Um cheiro estranho, porém, o chamou à segunda porta à direita do corredor. Era o quarto de Maisa. O cheiro era de sangue.

Dodô ainda lembrava: Ela havia chegado da caminhada, brincou um pouco com ele e pôs a água no fogo pra esquentar enquanto tomava banho. Agora, lá estava ela, deitada no chão, os cabelos molhados. Dodô a cheirou, lambeu seu rosto, mas o gosto ruim do sangue o fez parar. De repente, o apito da chaleira cessou.

Por horas, só se ouvia o som do silêncio, que foi cortado pelo da chave girando a fechadura. Era Dona Branca, mãe de Maísa. Olhou para Dodô, que não fez a habitual festa com sua chegada e continuava deitado embaixo da mesa de jantar. Ela estranhou. Foi até ele, alisou a cabeça. O cão respondeu com o rabo abanando, levantou e, como se pedisse para que ela o seguisse, em direção ao quarto de Maísa. Branca percebeu a intenção de leva-la ao quarto da filha e seguiu. O cachorro se postou ao lado do corpo e olhou para Branca. Os rosto da senhora, queimado de sol, começou a palidar, os olhos arregalados. As lágrimas acompanharam um grito abafado de dor. Em choque, branca ajoelhou-se ao lado do corpo da filha. O vidro temperado do box em estilhaços molhados com o sangue que saía de um buraco na testa da garota. Passava de meio dia e o corpo já estava gelado.

Maísa Frias entrara para as estatísticas como vítima de um assassinato – ainda – sem autor ou motivo. Em todas as entrevistas, a família se limitou a pedir justiça. No velório, os choros tímidos não escondiam a dor e a revolta. Já no enterro, a única voz que se ouviu foi a de Letícia, a prima de quatro anos, que disse: "Maísa foi embora".

***********************

Maísa Frias acordou disposta naquele 19 de setembro. Levantou mais cedo que o de costume, tomou um suco de laranja da fruta com pães torrados melados de geléia de amoras. Brincou um pouco com Dodô, seu pequeno basset com pêlos cor de caramelo e voltou pro quarto. Pôs a roupa de corrida e saiu de casa. Nesse dia, o porteiro disse, ela desceu de escada os cinco andares daquele prédio de classe média alta, na Ponta Verde, em Maceió.

Caminhou para a esquerda, em direção à Jatiúca. No caminho, trombou com uma de suas melhores amigas, Roberta, com quem continuou o resto da caminhada entre risos e fofocas. Para deleite dos rapazes, neste dia, Maísa prendeu os cabelos loiros com um rabo de cavalo, vestiu uma calça leg preta com listras brancas laterais e camiseta regata cor de rosa colada, ambas demarcando o corpo trabalhado na academia.

Uma hora e meia depois da corrida, as duas amigas se despediram. Maísa subiu, desta vez, de elevador. Entrou em casa e estranhou a porta aberta. Jurava que tinha deixado trancada. Dodô parecia assustado, mas não deixou de fazer festa quando ela entrou em casa. A jovem respondeu a recepção com carinhos e afagos, como sempre fazia. Foi até a cozinha, colocou um pouco de água na chaleira para fazer o café que tomava depois da caminhada. Usou fogo baixo, para dar tempo de um banho. Entrou na sua suíte e foi direto ao chuveiro.

O barulho da água caindo não a deixou escutar os passos se aproximando. Era Guilherme, seu ex-namorado. Armou a pistola com silenciador e esperou do lado de fora da porta do banheiro. Ao ouvir o chuveiro desligar a surpreendeu. Ela, de súbito, gritou. Ele mostrou a arma, fazendo-a calar.

A respiração dos dois ofegava quando ela tentou fugir, sem sucesso. Guilherme a bateu no rosto com força, arrancando mais gritos. Maísa, então, procurou se defender com chutes, acertando alguns nas canelas de Guilherme. Ele, impaciente, falou que ela não o machucava mais e que nenhuma dor é comparada à que ele sentiu ao ser traído pela menina enquanto namoravam. Maísa tentou argumentar, mas o ex lhe deu ordem de calar-se. A moça, com medo, achou melhor obedecer.

Guilherme desabafou, dizendo que ela nunca deveria tê-lo traído, que um namorado como ele, Maísa jamais encontraria e que nunca a perdoaria. Disse ainda que só voltaria a ser feliz quando fizesse vingança e que aquele havia sido o jeito de satisfazer sua vontade.

- Acabar com a sua vida é o modo que eu arranjei de continuar com a minha, revelou.
- Pense direitinho, Gui. Não faça isso, suplicou. Sem sucesso.

Tarde demais. A decisão já estava tomada. Guilherme a empurrou para dentro do box e, pelo lado de fora, disparou o tiro certeiro na cabeça de Maísa. Ela, ainda enrolada na toalha branca, caiu. O assassino saiu do mesmo jeito que entrou, pela porta da frente.

sexta-feira, 12 de setembro de 2008

Permita-se.

Permita-se. por mim mesmo.

Permita-se acordar feliz em plena segunda-feira.
Afinal, bom humor é preciso pra quem tem uma semana inteira pela frente.
Permita-se dar bom dia, boa tarde e boa noite, mesmo que não te respondam.
Permita-se criar. Invenções exercitam a memória.
Permita-se rir. De tudo. De todos. A qualquer hora.
Ria mesmo que por dentro, mesmo que só pra você.
Permita-se saborear cada minuto do seu dia.
Eles são preciosos e podem fazer falta mais pra frente.
Permita-se se expor ao sol. Só um pouquinho, não faz mal.
Permita-se sair por um minuto do escritório.
Há uma cidade lá fora. Há pessoas. Há movimento. Há cores.
Permita-se sentir a brisa da tarde.
Você vai se sentir no fim de semana em plena segunda feira.
Permita-se brincar com seu cachorro. Ele merece atenção.
Permita-se ver um pouco de televisão. Mas, só um pouco.
Permita-se olhar mais atentamente ao espelho.
Ele pode me mostrar coisas que só você pode ver.
Permita-se sonhar. Sonhos são os combustíveis para o amanhã.
Permita-se viver. Permita-se ser feliz.
Permita-se ser. Permita-se.

(ócio criativo)

quinta-feira, 11 de setembro de 2008

Vi por aí...


As mulheres e familiares de presos protestam contra a greve dos agentes penitenciários, que já dura cinco dias. Hoje, dia de visitação, ninguém conseguiu entrar e as mulheres dos presos contaram que nem a alimentação trazida por elas iria ser enviada aos detentos.
Talvez elas estivessem "reveendicando" educação.

Vi no TudoNaHora.com.br

Editorial sobre a Federal

(Texto que eu fiz em dupla com a Thayse pra um trabalho na faculdade. Era pra escrever um editorial sobre qualquer coisa. Falamos sobre a Polícia Federal)


A Polícia Federal é, de longe, a instituição de segurança pública mais respeitada e reverenciada do Brasil. A população aplaude de pé cada operação. Diariamente liga-se a televisão, abre-se o jornal à procura das mais novas vítimas da PF. Operações Taturana, Carranca, Ouro Branco e tantas outras. O povo quer o corrupto preso, o assassino atrás das grades, a quadrilha desbaratada, enfim, a ordem.

Aos poucos, Alagoas vai acreditando, através da Federal, que o político também vai preso – mesmo que temporariamente - e que o rico também tem que ver o sol nascer quadrado. Quem esquece de Cícero Ferro, Antônio Albuquerque e sua corja? Todos acusados de envolvimento no estupro ao cofre da Assembléia Legislativa do Estado, quando deixaram um rombo de mais de trezentos milhões de reais. José Pinto de Luna e sua turma não deram valor para a importância de seus cargos e investigaram seriamente. Resultado: Todo mundo preso. E a operação continua. Até hoje, noventa e sete Taturanas foram indiciadas e já fazem parte da lista do delegado Janderlyer Gomes.

Isso tudo deixa a sociedade alagoana orgulhosa, batendo no peito e expressando o velho e sentimento enferrujado de que a justiça tarda, mas não falha. A tendência é uma melhora política no Estado. Mesmo não tendo autonomia para afastar os corruptos do cargo, a Federal separa o joio do trigo. Ela dá as cartas e a justiça se trata de jogar.
<br>
Num Estado famoso por crimes de pistolagem, é natural que haja ameaças de morte e tentativas de homicídio, mas os cabeças da PF não parecem vulneráveis a isso. Que o diga o superintendente, José Pinto de Luna, que divulgou ao grande público a sua conta de e-mail pessoal e ainda afirmou: “Pode até mandar ameaça, que eu vou ler. Só saio da sede da polícia quando eu termino de ler todas as mensagens da minha caixa de entrada”, disse ele, certa vez, em entrevista a um telejornal.

Uma coisa é certa: A PF está trabalhando de forma exemplar e conquistando a imagem de instituição séria e comprometida com o seu objetivo inicial: Proteger o patrimônio público com unhas e dentes.

quarta-feira, 10 de setembro de 2008

7, 8, 9, [10], 11...

Ontem foi dia 9. Um dia que tinha tudo, tudo mesmo, pra ser lembrado de uma forma carinhosa e especial. Mas passou despercebido. E isso é triste.

(Mini-post. Sem muito o que comentar sobre isso.)

domingo, 7 de setembro de 2008

Interrompendo a programação.

Aí eu fui assistir ao horário eleitoral e cheguei a uma conclusão: Quando me perguntarem em quem eu vou votar, eu respondo que tanto faz. Sim, tanto faz.

Todos prometem saúde, educação, transporte e moradia. Uns são até mais ousados e colocam o esporte no pacote. Outros até, imaginem, prometem festas. Isso, festas!

Um tal de Diogo Gaia diz mais ou menos assim: "Precisamos da volta do Maceió Fest*! Maceió precisa entrar no rol das cidades de grandes shows!". E eu respondo com duas palavras e uma interrogação: COMO-ASSIM-?. É como diz o Dinho Ouro Preto: "O mundo vai acabar e ela só quer dançar"?

Sem contar os tipos "Pau Namáquina", "Fuscão", "Fulano do Ovo", uma infindável quantidade de pastores e professores e todos aqueles outros que aparecem com nomes imbecís e trejeitos fora do normal. Votos, eu quero - e prefiro - supor, eles não ganham, mas fazem de tudo pra aparecer gratuitamente na televisão.

Aiai... E lá se vão mais quatro anos de abelha no ouvido e sapateado nas horas impróprias.
(Por falar nisso, muito bons aqueles comerciais, não são?)

*Maceió Fest é o nome da - graças! - extinta micareta que tinha aqui.