sexta-feira, 16 de julho de 2010

Nós, jornalistas

Há exatamente um mês, mostramos diariamente a cobertura completa das enchentes e dos impactos causados por elas em Alagoas. Por trás de tudo isso, estamos nós, os profissionais, que – de alguma forma – nos envolvemos com aqueles casos e aquelas pessoas que aparecem na televisão.

Assim como você, nos comovemos, nos impressionamos, mas conhecemos bem o nosso dever de mostrar imagens e fatos que interessam ao telespectador.

Veja abaixo o que acontece por trás das câmeras. Acompanhe o depoimento de quem presenciou a tragédia no momento em que ela acontecia e de quem voltou lá depois que tudo já estava no chão.


segunda-feira, 12 de julho de 2010

Blasé


Adjetivo
1. Indiferença.
2. Apatia
3. Tédio aparente.

Etimologia
fr. blasé (1837) "indiferente, apático, que não demonstra emoção", part.pas. de blaser (sXVII-XVIII) "embotar o sentido do gosto, por excesso de comida e bebida, tornar-se indiferente ou insensível"

Gramática
fem.: blasée; pl.: blasés/blasées (fr.)

terça-feira, 6 de julho de 2010

Calando a boca

Entrei no salão de beleza pra fazer o pagamento de um corte de cabelo que tinha ficado 'pra depois'.
A menina do caixa que, como não lembro dela, deve ser novata, me perguntou com um ar de desconfiança:

- Como assim? Cortou o cabelo e esqueceu de pagar?
- Não. É que vocês estavam sem troco pra 100.

#chupa

terça-feira, 29 de junho de 2010

Perdendo um cliente em 3, 2, 1...

Manual de Como Perder Um Cliente em 5 Passos, por Engenho Massayó (Ex Bella Gulla)

1 – É proibido cumprimentar.

Não dê boa tarde. E se o seu cliente fizer isso, finja que não ouviu. Vire o rosto.


2 – É proibido atender...

Ligue uma televisão num jogo de futebol qualquer. Deixe todos os seus (dois) garçons entretidos na tela. Não atenda ao chamado do cliente, mesmo que ele levante o braço para tentar chamar a atenção. O jogo é mais importante que ele. Ele pode esperar.


2.1 - ... A não ser que lhe dê na telha

Quando acabar o jogo, venha ao encontro do seu cliente, pergunte o que ele quer.

- Pois não, senhor?

- Uma coca, por favor.

- Normal? Com gelo?

- Sim, normal. Sem gelo.


2.2 – Finja que esqueceu

Isso. Finja de novo. Só depois de algum tempo, quando o seu cliente já estiver terminado de comer, apareça com a Coca normal, mas COM gelo. Afinal de contas,você nem precisa fazer tudo exatamente do jeito que ele pediu.

É normal se ele não quiser mais a Coca (afinal, lembre que você só vai entregar a bebida na última garfada do seu cliente-exigente – SEM GELO É QUERER DEMAIS, NÉ?). Fique com a Coca pra você.


3 – A hora do pagamento.

Simplesmente diga o preço. Não pergunte se ele quer o CPF na nota, afinal, leis servem para ser burladas.

Quando o seu cliente pedir o CPF na nota fiscal, dê uma de louca, imprima a nota e diga ‘Êêêêta, rapaz. Já tirei a nota sem o CPF, ó!’ (Muito importante: Neste momento, deixe claro que você não pode fazer mais nada por ele).

Se o seu cliente for in-su-por-tá-vel ele vai querer o CPF na porra da nota mesmo assim. Diga que não tem como cancelar.


3.1 – A hora da piadinha

Seu cliente quer a nota com o CPF, afinal, é um direito dele (Foda-se, né? Todo mundo quer ter direito hoje em dia.), mas faça uma piadinha legal. Quem sabe ele morre de rir e esquece do CPF. Se não souber o que dizer nessa hora, fale assim:

- Eu posso anotar de caneta aqui, no cantinho da nota que eu já imprimi? (Ahn? Ahn? Muito boa essa, né?)


4 – Ligue para o seu chefe

OK. Se nem com a piadinha o mala do seu cliente desistiu da merda do CPF na porra da Nota Fiscal, ligue pro seu chefe. Relate o ocorrido. Diga, na frente do seu cliente: “Mas é que ele quer porque quer o CPF na Nota e eu não tenho como cancelar porque eu já tirei outra depois e etc.”. Passe pouco tempo no telefone para não gastar seus créditos.


5 – Dê uma de doido

Este é o último passo e, talvez, o mais importante. Você já deixou de cumprimentar, não deu atenção, demorou para atender, não ofereceu o CPF na nota – ou seja, desrespeitou o direito do seu cliente. Se você já passou por todas essas etapas, essa vai ser moleza.

Desligue o telefone, segure a nota na pontinha do dedo, olhe para o seu cliente e pergunte:

- Tem certeza que não quer aceitar a nota mesmo assim?


Pronto! Parabéns! Você não só acaba de perder um cliente, como acaba de ter o nome do seu estabelecimento incluído na listinha de reclamações da Secretaria da Fazenda do Estado.


Nota do autor: A piada de anotar o CPF no cantinho da Nota foi boa, não foi?

terça-feira, 1 de junho de 2010

Quando as crianças fazem Uau!
Que maravilha, que maravilha!
Mas que bobo veja só, olha só!
Eu me envergonho um pouco.
Já não sei mais fazer "Uau!",
Não brinco mais numa gangorra,
Não tenho a chave que abre a porta
dos nossos sonhos...

segunda-feira, 19 de abril de 2010

Seres ou não seres?

O jornalista é um contador de história. Quase nunca é um conto de fadas, nem sempre com um final feliz. Sou obrigado a ver, diariamente, casos absurdos que revelam o lado animalesco e bizarro de seres humanos. Humanos?

O cenário é uma rua num bairro pobre de Maceió. O personagem principal é um homem novo, com seus vinte e poucos anos. De coadjuvante, uma senhora que foi agredida pelo personagem principal. Ela levou um murro na cara, desmaiou e foi parar no hospital.

Ele está deitado no chão, cercado por dezenas e dezenas de pessoas, que lhe chutam o rosto, o abdômen, as costas e qualquer outra parte do corpo que alcancem. Na boca, sangue. Nos olhos, sangue. No rosto, sangue. Na camisa, sangue. Na população, o desejo de ver sangue.

De figurante, um jornalista cobre o fato, sem poder deter a fúria de uma comunidade, que não agüenta mais ver casos como este e faz justiça com as próprias mãos, com os próprios pés. Por vezes, até pegam uma pedra ou outra emprestada.

Que tipo de bicho é esse? O bicho homem, criado por... quem? Deus ou diabo?

quarta-feira, 24 de março de 2010

Nós, os editores

Muita gente acha que trabalhar em televisão é ser repórter ou apresentador. O que a maioria ignora é que existe um batalhão de gente atrás das câmeras, dando duro, suando a camisa - alguns no sentido literal da palavra - para que o repórter ou o apresentador apareça lindo e maravilhoso na televisão da sua casa. O que chega a ser um pouco frustrante. Veja como costumam ser meus diálogos com quem não entende da área:

- Ah, você trabalha na TV? Que legaal!!! E faz o que lá? É repórter? - me perguntam.

- Na verdade, não... eu sou editor de texto. - respondo, esperando um 'e o que é que esse bicho faz?'

- ... Aahhn.... tá. Passa o sal, por favor?

É. É sempre assim. Ontem, indo para o trabalho, dei carona a um primo que não entende nada de jornalismo ou televisão. Tive um pouco de trabalho em faze-lo entender que o repórter sai da emissora com duas pautas feitas pelo produtor e, no intervalo entre uma e outra, ele tem que voltar e escrever o texto, grava-lo (o que chamamos de off), para que eu pudesse editar, escrever 'o que o apresentador vai falar', para que, então, a matéria vá ao ar.

Para esclarecer um pouco, resolvi colocar aqui embaixo um exemplo do que eu faço no meu trabalho todos os dias. Isso já acontece depois que o produtor marca a pauta, o repórter cobre o evento, escreve - ou 'fecha' - o texto e traz para a edição finalizar.

Vejam o texto que a repórter gravou:

01 – Jéssica de Araújo tinha 18 anos e, como a maioria dos jovens nessa idade, era bastante comunicativa.

Sonora José de Souza Lima – tio da menina, dizendo que ela era uma menina doce, que todo mundo gostava, que falava com todo mundo.

02 – Jéssica foi morta com requintes de crueldade. O tio da menina conta que ela morava no sítio Lagoa Cavada, na Zona Rural de Arapiraca, e saiu de casa no último domingo para ir a um baile da sede social de um povoado vizinho.

Volta o tio da menina, contando como ela foi morta.

03 – José de Souza disse que o corpo da sobrinha foi encontrado com marcas de violência sexual, facadas e disparos de arma de fogo.

Volta o tio da menina, dizendo “Ela foi estuprada, levou golpes de facão e o policial disse que atiraram no ouvido dela também”

04 – Na manhã desta segunda, os alunos da escola Senador Rui Palmeira, onde Jéssica estudava, estavam chocados com o crime.

Sonora de uma colega de Jéssica. “Quando eu soube, fiquei assim... sem saber o que dizer”.

05 - Indignados com a violência que atinge a região, professores e alunos fizeram um protesto pelas ruas da cidade.

Sobe som do protesto

06 - Nos cartazes, o pedido de justiça e reivindicação para que as autoridades ligadas a segurança estabeleçam medidas de combate a violência.

Sonora da vice-diretora da escola, dizendo algo como ‘Hoje foi ela. Amanhã, será quem?’

Sonora de uma aluna, dizendo que as autoridades precisam tomar uma providência.

Agora, vejam o que fiz como editor da matéria. Primeiro dei uma lida no texto e me perguntei: "O que é o mais importante aqui?" Não há dúvida de que o grande fato é o efeito que assassinato brutal de uma jovem de 18 anos causou em colegas, familiares e professores. Para não deixar o telespectador perdido no meio da matéria, cortei alguns trechos do texto da repórter por julgar que ele estava desviando a atenção do que era o mais importante. Então, se não é interessante, neste caso, saber que a menina era comunicativa, ou morava na zona rural de Alagoas (vou falar um pouco sobre isso abaixo), o editor vai lá e corta. O texto foi ao ar dessa maneira:

01 - Jéssica de Araújo tinha18 anos e foi morta com requintes de crueldade.

Sonora José de Souza Lima – tio da menina. “Ela foi estuprada, levou golpes de facão e o policial disse que atiraram no ouvido dela também”.

02 - Na manhã desta segunda, os alunos da escola Senador Rui Palmeira, onde Jéssica estudava, estavam chocados com o crime.

Sonora sem gc. “Quando eu soube, fiquei assim... sem saber o que dizer”.

03 - Indignados com a violência que atinge a região, professores e alunos fizeram um protesto pelas ruas da cidade.

Sobe som do protesto

04 - Nos cartazes, o pedido de justiça e reivindicação para que as autoridades ligadas a segurança estabeleçam medidas de combate a violência.

Sonora da vice-diretora da escola, dizendo algo como ‘Hoje foi ela. Amanhã, será quem?’

Sonora de uma aluna, dizendo que as autoridades precisam tomar uma providência.

Viram? Bem menor! Eu disse acima que não era importante, na matéria saber que a menina morava na zona rural do Estado. Na verdade, esse dado só foi dispensável na matéria, visto que, em jornalismo, uma das principais informações que se tem que dar é o local onde o fato ocorreu. Não omiti este dado. Ele foi passado ao telespectador na cabeça da matéria, ou, como expliquei ao meu primo, 'aquele texto que o apresentador vai falar'. Ficou mais ou menos assim:

A morte de uma menina de dezoito anos no último fim de semana chocou a cidade de de Arapiraca. Hoje de manhã, alunos e professores da escola que ela estudava fizeram um protesto pelas ruas da cidade.


Então é basicamente isso. O editor é o cara que monta a matéria que chega da rua. Ele é uma peneira, que cruza informações, checa veracidade delas, arruma o texto do repórter da forma que ele possa ficar mais claro, objetivo, direto, informativo e interessante para quem está em casa assistindo. No fim de tudo, ele faz um resumo do que será exibido para que o apresentador fale a quem está em casa.

domingo, 21 de março de 2010

O poema

De todos meus amigos
Conhecidos e imaginários
Como pode ser?
É o de longe o que quero ter.
Apenas me lembro
Do dia em que nós pudemos nos ver.
As risadas brotavam
Como grandes gotas de chuva,
Incansáveis e incessantes,
Trovoadas em meio a fortes instantes,
Nascidas do céu
E escorridas por todas as partes.
Escuto-as até hoje
Ecoando por esta cidade sem fim
Como pode ser?
Se é do meu amigo distante
Que saudades sempre irei ter.

Samantha Jorge
15/03/2010

sexta-feira, 12 de março de 2010


É muito bom ser surpreendido. Ainda mais quando você não acredita que alguém possa ser melhor do que já era. Era nisso que eu pensava antes de colocar pra tocar o novo CD da Fernanda Guimarães, Verbo Livre.

Saí de casa só para comprar o disco, achando eu que a faixa que dá nome ao trabalho seria a melhor de todas. Que tolo eu fui! O CD envolve, aquece e agrada do começo ao fim. O som do metal que abre a primeira música já me chamou a atenção. “Epa! Isso é bom...”. Mas antes da metade da faixa, minha opinião mudou. “Ei... que ótimo isso!”. E assim o disco prosseguiu no som, numa mistura de tambores, pandeiros e um dedilhado gostoso.

Finalmente, chegou a Verbo Livre, uma das canções da cantora que eu já conhecia. Mas, espera aí. Não é essa daí. Esses metais, essa percussão... Está certo mesmo? Opa! É! Que surpresa boa. A música que já era ótima ganhou uma roupagem nova. Uma pegada meio latina (Arriba!). A guitarra, as batidas, os metais. Que mistura bem feita. Fernanda Guimarães deixou a música mais dançante e marcante.

A música seguinte começa só com um batido e a potente voz da Fernanda, que se junta ao som gostoso da escaleta em seguida. Catarina Guerreira me ganhou pela letra, pela sonoridade, melodia e harmonia.

A partir daí eu já estava, lógico, esperando uma boa surpresa a cada faixa. Farol da Noite veio em seguida, também com novo arranjo, mas com as inconfundíveis cordas da introdução.

Kalú, no entanto, foi a música que mais me surpreendeu. Arrepiei durante os 55 segundos dela.

E eu poderia tecer comentários e comentários sobre cada uma das 13 faixas, mas, lógico, a essas alturas você já nem quer me ler, porque não se agüenta de vontade de ouvir Verbo Livre também. Com razão. Um trabalho marcante. Uma ótima surpresa.

sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

Bíblia, waffer e farelos.

Entre uns 'com licença' e 'ops, desculpe!' por causa do corredor apertado do avião, cheguei até a poltrona 20D. Ao meu lado, sentou uma senhorinha. Saia até os joelhos, presilhas prendendo os cabelos branquinhos, casaco preto de lã e uma bolsa feita com anel de lata de refrigerante (cores verde, amarelo e vermelho). Sentou-se sem dizer nada, mas a ajudei a atar os cintos. Ela agradeceu e se aquietou.

Abriu a bolsa e, lembram do Gato Félix do desenho animado? Ele tinha uma bolsa de onde saía de tudo. A dela era assim. Começou com um livro de capa preta de couro que, nem precisava dizer, era uma bíblia. Mesmo assim, a senhorinha achou conveniente deixar por escrito, na capa que aquilo era uma bíblia. Sei disso porque tinha escrito de corretivo/branquinho/liquid papper: Biblía (sic).

Ficou lá, lendo o livro sagrado, como quem cochicha com alguém ao pé do ouvido. E devia saber de cor, porque olhou pela janelinha e continuou cochichando o texto pra ela mesma.

Então ela abre novamente a bolsa mágica e tira de lá um pacote fechado de waffer. Ah, os waffers... Renderam uma boa e sacana diversão. A coitadinha da velhinha lutou feio com o pacote, tentando abrir. Virava pra cima, puxava a aba colada que não saía do lugar. Virava pra baixo e tentava ver, em vão, se a aba oposta à teimosa seria mais compreensiva, mas aquela também era irredutível em se mexer. E lá ia ela de uma aba para outra, sem sucesso. Eu gargalhava internamente, porque estava vendo o nome 'PUXE' gritando em amarelo naquela fitinha vermelha. Fiquei na minha, tentando disfarçar o sorriso. Depois de uns dois minutos tentando, a velhinha olhou pro pacote, respirou fundo (essa parte foi legal!), balançou a cabeça em sinal negativo e, enfim, puxou no local indicado. Abriu e começou a comer o biscoitinho dela. Mais tarde, abriu novamente a 'pochete' e deu pra ver que ela ainda carregava um pacote de biscoito recheado, um guaraná caçulinha e um lencinho. Uma feira!

Passa a aeromoça com umas balinhas, daquelas que grudam no céu da boca. Ela pegou uma e pôs na bolsa mágica. Volta a comissária e ela pega outra balinha e joga na bolsa. Tirou um terço de lá. 'Shshshshshsh', cochichando as rezas. Parou e se aquietou. Quis levantar-se e ficou se debatendo com o cinto (rárárá). Assisti à cena com o canto do olho e deixei que tentasse um pouco, antes de ajudar, enquanto, por dentro, me matava de rir. Me dei mal. Bem mal, pois não demorou muito e subiu aquele fedor. A pobrezinha queria soltar uma 'bomba de gás' no banheiro, coitada. Não fiquei com raiva do fedor. Cheirei meu braço perfumado enquanto ria, desta vez, sem conseguir disfarçar. Eu pensava 'Deus castiga a quem não ajuda a velhinhas com o cinto do avião'.

E assim foi a viagem inteira. Um pouco de cochicho, um pouco de biscoito. Na chegada, ajudei a desatar o cinto. Ela desce, deixando lembranças engraçadas e farelo no chão.

terça-feira, 5 de janeiro de 2010

Uatafóqui?

Vê uma coisa comigo...

PARIS, 5 Jan 2010 (AFP) - O governo da França cancelou o pedido de 50 milhões de doses de vacinas contra a gripe H1N1, anunciou na noite de segunda-feira a ministra da Saúde Roselyne Bachelot.

"Os pedidos não haviam sido confirmados, nem pagos, portanto foram anulados", declarou a ministra ao canal de televisão TF1.

"Se levarmos em consideração o valor total de doses pedidas - 712 milhões de euros -, é uma economia de mais da metade", disse Bachelot.

A ministra explicou, no entanto, ao mencionar a quantidade de doses da vacina contra a gripe H1N1 pedidas originalmente aos laboratórios, que "se tivesse que fazer de novo, faria exatamente o mesmo".

Agora me diga: O que porra foi isso?
Vamos por partes...

"O governo da França cancelou o pedido de 50 milhões de doses de vacinas contra a gripe H1N1, anunciou na noite de segunda-feira a ministra da Saúde Roselyne Bachelot." (Ok. Até aqui, beleza!)

""Os pedidos não haviam sido confirmados, nem pagos, portanto foram anulados", declarou a ministra ao canal de televisão TF1." (Então, porque a matéria abre dizendo que eles foram cancelados, se a ministra disse que eles sequer haviam sido confirmados?)

""Se levarmos em consideração o valor total de doses pedidas - 712 milhões de euros -, é uma economia de mais da metade", disse Bachelot." (Economia de mais da metade? Metade do que? Economia em relação a que?)

A ministra explicou, no entanto, ao mencionar a quantidade de doses da vacina contra a gripe H1N1 pedidas originalmente aos laboratórios, que "se tivesse que fazer de novo, faria exatamente o mesmo". (....!?)

Alguém pode me explicar?


segunda-feira, 4 de janeiro de 2010

Aviso aos navegantes!

Não quero ser mal educado, mas preciso esclarecer uma coisinhas aqui...

O meu blog, ou diário, é pessoal. Aqui, escrevo a minha visão das coisas, das pessoas, de objetos, lugares ou de qualquer outra coisa que eu quiser falar bem ou mal. Principalmente se eu quiser falar mal. Aqui é o lugar.

Explico: Num dos posts daqui, uma sujeita, que não deixou e-mail, criticou horrores o fato de eu não ter gostado do atendimento e do produto oferecido pela Sucaria da Fruta-com-água. Ela escreveu coisas do tipo:

"É de muito mal gosto alguem se dar ao trabalho de se expressar publicamente com comentários maldosos e pouco aproveitaveis."

Coisas desse tipo me revoltam. Não pelo fato de alguém ter uma opinião diferente da minha. Não é isso o que incomoda. Mas a partir do momento em que a pessoa se presta a vir na minha 'casa', criticar o que eu escrevo, criticar a minha opinião, a minha visão... isso me revolta.

Eu nunca pedi comentário de ninguém, faço pouca propaganda do meu blog, porque esse canto é meu. É o que eu penso, é como eu penso. E é como eu vou continuar pensando. Não é a opinão de uma qualquer que vai me fazer voltar naquela merda de lugar. Eu contei alí - no post - a péssima experiência que tive e a péssima impressão que fiquei (não era a primeira vez que eu frequentava e saía de lá com má impressão).

Visto isto, caros, comunico que, a partir de agora, moderarei os comentários, porque não vou admitir que alguém que sequer se identifica, chegue aqui tocando o horror no que é meu. Se não gosta do que eu escrevo, do que eu penso, não venha. Não fará falta. E, volto a dizer, Sucaria nunca mais!

Agora sim, voltamos à nossa programação normal. Sugiro leitura do post abaixo.

sábado, 2 de janeiro de 2010

No alto do desrespeito

Arrogante, preconceituoso e desrespeitoso. Assim foi (ou é) Boris Casoy ao insultar no ar dois garis, que deram um depoimento desejando feliz ano novo numa das passagens de bloco de seu programa.


“Que merda! Dois lixeiros desejando felicidades do alto das suas vassouras. (Risos) Dois lixeiros. O mais baixo da escala de trabalho”, disse o conceituado e reconhecido jornalista, antes de ser interrompido por alguém da sua equipe, alertando que o áudio estava no ar.
O vídeo, exibido mais de 480 mil vezes, em dois dias no site YouTube, causou revolta de internautas e, porque não, de sua audiência. Em ‘respeito’ a ela, Boris colocou a cara na tv, no dia seguinte, para pedir desculpas pela gafe cometida.


“Ontem, durante o intervalo do Jornal da Band, num vazamento de áudio, eu disse uma frase infeliz que ofendeu os garis. Por isso, quero pedir profundas desculpas aos garis, e aos telespectadores do Jornal da Band”, leu mecanicamente o apresentador, sem um pingo de sinceridade na voz.
Isso acontece porque certos jornalistas – como é o caso do Casoy - julgam outras profissões menos importantes que a deles. O papel da imprensa é essencial no cotidiano das pessoas, claro, mas é tão importante e digna quanto a do gari, ou do motorista do ônibus, ou qualquer outra profissão que resulte no bem comum.
Um comentário como este não se diz nem numa mesa de bar. Quanto mais em um posto de trabalho, quando se corre o risco de haver um vazamento de áudio. É justamente nessas horas que a gente consegue enxergar a essência do ser ‘humano’ que está ali, do outro lado, falando bonito, criticando a Deus e o mundo. Inclusive ao que não deve.
Eu gostaria muito de ver o Boris pagando por esse comentário ridículo feito. Gostaria que ele pagasse com serviços comunitários, no alto de alguma vassoura, em pelna cidade, limpando as sujeiras feitas por gente mal educada como ele.